Translate

domingo, 5 de julho de 2020

A Ressonância Mórfica e a Presença do Passado - Os Hábitos da Natureza


A Ciência formal moderna se ancora em determinados pilares dentre os quais podemos citar dois: a verificação empírica e seu caráter reprodutível. Traduzindo... 1) a capacidade de se produzir dados relevantes (pesquisa empírica) acerca de algo, e 2) que essa produção de dados possa ser feita outras vezes por outras pessoas (reprodutibilidade) para se atestar sua veracidade. Mas e aqueles fenômenos para os quais a Ciência não tem explicação? Em geral, tais fenômenos são deixados de lado ou então tratados como pseudo-ciência ou simplesmente sugestionados como "fraudes" (não que elas realmente não existam). Mas um dos grande mistérios da vida relaciona-se à "Morfogênese". Por exemplo, em nosso DNA estão contidas as informações para que sejam produzidos os "tijolos" (proteínas) que nos formam. Mas o fato de termos os tijolos não quer dizer que já temos uma "Casa" pronta. É preciso que exista um plano, uma planta da casa, um "script" para que as proteínas saibam como se relacionar entre si para nos construir. Mas de onde vem, ou onde está esse "script"? Aí está uma coisa que a Biologia tem dificuldades de explicar, pois esses "planos" que fazem tudo em nosso corpo se associar para verdadeiramente funcionar, não está contido em nossos "genes" como muitos pensam. O genes, ou nossa genética, apenas possuem as informações para se fabricar os "tijolos".


No início da década de 80 um Biólogo inglês chamado Rupert Sheldrake produziu uma elegante teoria a qual chamou de "Ressonância Mórfica". Por ser uma teoria difícil de ser verificada pela Ciência em seu princípio empírico, a teoria de Sheldrake simplesmente tem sido ignorada ou sido tratada como pseudo-ciência. Porém em seu livro  A Ressonância Mórfica e a Presença do Passado - Os Hábitos da Natureza, Sheldrake ancora sua teoria em bases extremamente científicas, permitindo que o leitor a compreenda de forma até mais viável do que as hoje aceitas teorias existentes acerca da morfogênese. Teorias estas que usam os genes como fonte única de nossa existência. Não precisamos ser experts para perceber uma ordenação incrível em tudo à nossa volta. Abelhas sabem exatamente como extrair o pólen, cupins sabem exatamente como construir suas casas, formigas sabem exatamente como se portar dentro de um formigueiro, grandes mamíferos possuem uma ordenação social e de hábitos que nos deixam boquiabertos. Mas como sabem isso? Em geral jogamos todas nossas fichas nos genes, ou nas moléculas de DNA que, sabidamente, não trazem esses planos morfológicos e comportamentais que tais animais apresentam.


É nesta lacuna incrível deixada pela ciência formal que Rupert Sheldrake estabelece sua elegante teoria. Conforme muito bem explanado em seu livro, Sheldrake chama atenção para os HÁBITOS. Quando um indivíduo, sociedade, povo ou nação desenvolve determinado hábito, é interessante perceber que tal hábito passa a fazer parte dos constituintes daquelas pessoas. Obviamente que há a transmissão cultural de pai para filho, mas evidências mostraram que tais hábitos apareceram em outros povos que não tinham nenhum contato com o povo responsável por primeiramente desenvolve-lo. Isso acontece, inclusive em animais. Na década de 70 foi observado que um grupo de pássaros aprendeu a abrir garrafas de leite deixadas às portas das casas inglesas. Incrivelmente, outros pássaros em regiões muito distantes daquela onde foram registrados os primeiros casos de abertura, também passaram a adotar o mesmo comportamento. O livro de Sheldrake traz inúmeros exemplos como esse. Mas como tal comportamento teria sido transmitido?  


A resposta seria: por ressonância mórfica. O hábito aprendido passaria a se organizar em campos de influência. Assim como existem campos magnéticos (que ninguém vê) mas sabemos que existem, os hábitos seriam alocados em campos de influência ao nosso redor que passariam a influenciar a vida dos integrantes daquela sociedade. Esta memória ou hábito intangível, alocado dentro destes campos de influência (campos morfogenéticos) seriam transmitidos à todos os indivíduos daquela espécie por meio da ressonância mórfica (um eco daquele comportamento). Agora pense em hábitos que foram consolidados por inúmeras sociedades animais e vegetais ao longo de milênios. Hábitos e memórias que se consolidaram em campos e, por conta disso fortaleceram cada vez mais a presença do hábito ou comportamento. Bem... Nesse caso teríamos verdadeiros "scripts" que nos rodeiam e que nos influenciariam a adotar comportamentos que hoje temos individualmente e como espécie. Isso estaria também presente, inclusive no comportamento de células. Por exemplo: como uma pequena célula formado de um óvulo e um espermatozoide sabe que tem que se dividir de determinada maneira para gerar um ser vivo complexo?! Como essa única célula sabe como se dividir e gerar as dobras necessárias para formar nossos órgãos internos (base para a ciência da embriologia)!? Segundo Sheldrake, as primeiras células de seres vivos adotaram determinados caminhos que, após serem trilhados centenas de bilhões de vezes, conduziram a formação de uma campo de influência, um campo mórfico, um "script" para aquelas células.

Creodo (caminho obrigatório)

A vida estaria, portanto, organizada e sendo influenciada a seguir caminhos obrigatórios (creodos) que se consolidaram a partir dos campos mórficos. Na imagem acima temos um exemplo do que seria um creodo. Percebe-se que há uma esfera (ou célula) que possui alguns caminho a seguir para se transformar em algo. Mas qual caminho trilhará? A célula ou esfera (no caso da figura) percorreria o caminho que foi trilhado mais vezes e se aprofundou ao longo do tempo. Como uma trilha em um campo que de tanto ser percorrida formou ali um vale. Na visão científica mecanicista as leis da natureza seriam eternas mas, segundo Sheldrake, não é que são eternas, mas é que determinados caminhos foram percorridos tantas vezes que foram estabilizados e, portanto, nos parecem imutáveis. Estes creodos, ou caminhos obrigatórios, estariam presentes em tudo à nossa volta, até mesmo nos fenômenos físicos e químicos, explicando porque determinados átomos se juntam de determinadas formas para formar determinada molécula. Por exemplo: quem ensinou o oxigênio a se associar à dois átomos de hidrogênio para formar a água? Segundo a teoria da Ressonância Mórfica ou Causalidade Formativa o oxigênio tem esse comportamento porque depois de ter se associado inúmeras vezes com dois  átomos de hidrogênio, consolidou-se ali um hábito, ou campo de influência forte, ou caminho obrigatório (creodo), facilitando o aparecimento subsequente da mesma reação.

Diagrama representativo do ordenamento proposto por Rupert Sheldrake

Este entendimento torna a vida à nossa volta muito mais rica, poderosa e interessante em contraponto à teoria mecanicista das leis eternas da natureza. Ao nosso redor há bilhões de campos que nos influenciariam em relação à nossos comportamentos e ações em âmbito social, cultural, químico e físico. No diagrama acima podemos ver que os Campos Morfogenéticos influenciariam os organismos vivos (ou seja, nós e tudo à nossa volta), mas também seriam influenciados por eles. O ambiente à nossa volta também seria fonte de influência e poderia, por exemplo, alterar os campos morfogenéticos. Quem nunca viu notícias de fenômenos da natureza que forçaram nações inteiras a mudarem seus hábitos? Por fim, o papel atribuído ao gene fica muito claro no diagrama, ou seja, ele se comporta como nosso "HD", ou seja, carregam as informações dos "blocos" ou "tijolos" que precisam ser fabricados, mas o plano de construção viria dos campos mórficos ou morfogenéticos. Desta forma, assim como um campo eletromagnético influencia a maneira como um elétron deve se comportar, assim também o campo mórfico influenciaria o comportamento daquela estrutura animal/vegetal, elemento químico ou processo físico. Nos libertaríamos, enfim, do determinismo imutável das leis físicas estanques. Expandindo esta reflexão, obviamente, isso em nada fere à crença pessoal das pessoas em um Ser Superior (como no meu caso que sou cristão). Mas pelo contrário, expande esta compreensão e a catapulta para um maior maravilhamento.

Incrível estrutura do lar de Cupins do Campo - Permite a ventilação e abastecimento rápidos

Extrapolando agora a teoria de Sheldrake, eu conseguiria finalmente responder, por exemplo à reflexão do androide Roy Batty, personagem do ator Rutger Hauer no final do filme Blade Runner - O Caçador de Androides de Ridley Scott de 1982. Em seus minutos finais de existência o poderoso androide conversa com o detetive Rick Deckard, personagem de Harrison Ford, e diz: 

"Eu vi coisas que vocês, humanos, nem iriam acreditar. Naves de ataque pegando fogo na constelação de Órion. Vi Raios-C resplandecendo no escuro perto do Portão de Tannhäuser. Todos esses momentos ficarão perdidos no tempo, como lágrimas na chuva. Hora de morrer...."

Existiria um contexto muito maior em nossa existência. Um contexto que reverberaria à nossa volta por meio da ressonância mórfica, organizado em campos nos quais, possivelmente nossa existência estaria atrelada. Os hábitos de comportamento e, possivelmente de pensamento, de toda a humanidade (e da vida como um todo) estariam contidos nos inúmeros campos mórficos que nos rodeiam. Talvez, quem sabe, as memórias tão caras ao androide Roy Batty.


Alguns autores tem se servido das ideias de Sheldrake e construído narrativas excepcionais, como é o caso de Alan Moore e sua passagem pelo personagem Monstro do Pântano na década de 80. Uma obra que entende a modelagem da vida à nossa volta a partir de uma estrutura intangível organizada. No caso, do Monstro do Pântano, a consciência "verde" ou, conforme Sheldrake diria, "os campos mórficos que estabilizam o mundo vegetal à nossa volta". Alan Moore trata o "verde" com um respeito sagrado, e personifica na figura do Monstro esta sacralidade eterna e viva. Uma obra que todos deveriam conhecer (para conhecer mais sobre ela clique aqui e aqui). Uma outra obra, esta sim científica, que recomendo e que dá suporte às teorias dos Campo Morfogenéticos, é o recente livro do Engenheiro Florestal alemão Peter Wohlleben, "A Vida Secreta das Árvores - O que elas sentem e Como se comunicam". Um livro maravilhoso que nos desperta para um respeito sagrado pela vida vegetal, nos mostrando evidências científicas acerca da milenar "vida", "sentimentos" e "comunicação" das árvores. Seres que vivem sob a perspectiva de uma outra passagem de tempo e que, por isso, sempre foram percebidas pela maioria das pessoas como mero ornamento. 

Nebulosa de Órion a cerca de 1500 e 1800 anos-luz do Sistema Solar

Concluindo, as ideias apresentadas por Sheldrake me explicam, particularmente, muitas coisas. Especificamente memórias, ou melhor, sensações que sempre me aparecem e que não exatamente parecem fazer parte da minha estrutura mental pessoal. Mas de onde viriam? Não seria estranho pensarmos que somos rodeados de uma vida pulsante, milenar e cheia de experiências passadas e consolidadas nos campos mórficos que nos rodeiam. Talvez precisássemos ter apenas o "radar" ou "instrumentos" corretos para captar estes ecos. Em seu onírico livro O Oceano no Fim do Caminho, Neil Gaiman traz uma maravilhosa estória onde a figura do oceano personificaria (em minha interpretação) esta vastidão de vida intangível à nossa volta. Talvez precisássemos apenas ser mais humildes para percebe-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados