domingo, 17 de junho de 2012

A Era de Platina das Histórias em Quadrinhos (HQs)


 A história das “Histórias em Quadrinhos” (HQs) é longa e cheia de marcos importantes. Sua odisseia perpassa o final do século 19, avança pelo século 20, atinge o século 21 e tem como pano de fundo os principais acontecimentos da humanidade nesse último século. Uma história tão vasta não poderia deixar de ter seus pontos cruciais que marcariam o que chamamos de “Eras dos Quadrinhos”.

Essa primeira matéria, e outras que se seguirão, mostrarão (de forma sucinta) quão rica e cheia de curiosidades é a história das HQs, a chamada “9ª Arte” que, embora seja tratada de forma pejorativa por muitos, espelha as derrotas e vitórias, dilemas e decisões de todos nós. Embarque nesse túnel do tempo!! Bem vindo à Primeira Era dos Quadrinhos, a Era de Platina.

A Era de Platina das HQs:
Final do Século 19 até aproximadamente 1938

O Menino Amarelo - 1895
Inicialmente marcada por uma produção incipiente, essa “Era” foi caracterizada em sua gênese pela produção de quadrinhos em “Tiras Cômicas”. Na década de 1890, um dos personagens mais famosos era um menino oriental que vestia uma roupa amarela: O Menino Amarelo (The Yellow Kid). 
Histórias de Fantasia e Ficção Científica
A partir de 1900 as “Tiras Cômicas” foram gradativamente cedendo sua popularidade a uma outra forma de publicação: Os “Pulps” (revistas com papel de baixa qualidade e que geralmente eram dedicadas à histórias de fantasia e ficção científica). Muitos autores famosos na ficção científica trabalharam na produção dos Pulps (Isaac Asimov por exemplo). Não havia grandes pretensões artísticas na era dos Pulps e, para o público em geral eles faziam as vezes das séries televisivas de hoje em dia. As histórias nos Pulps eram cheias de aventuras exóticas e o heroísmo dos personagens era exacerbado. Tais histórias ambientavam-se na própria época em que foram originalmente escritas: o início do século 20. Caso você não esteja conseguindo visualizar esse tipo de histórias, lembre-se de um famoso personagem do cinema que foi retirado diretamente da cultura “Pulp”: Indiana Jones!! Os heróis dessa fase fazem seguiam o seguinte estereótipo:

- Os Fortões-Sabem-Tudo: Fortões que além de porte físico avantajado tinham uma formação científica sólida. Exemplo: Doc Savage (1933).

Doc Savage -1933

- Exploradores Destemidos: Não tão fortão, esse era o herói destemido, com um conhecimento arqueológico farto e que era colocado em ambientes exóticos e cheio de mistérios arqueológicos e às vezes futuristas. Alguns eram galãs e acompanhados por uma bela donzela. Exemplo clássico: Flash Gordon (1934); Buck Rogers (1928); John Carter (1912).




John Carter - 1912
- Vigilantes: Esse já era um tipo diferente de herói dos Pulps. O Vigilante em geral atuava em um local só e era motivado por vingança ou pela investigação de crimes. Em geral eram urbanos e podiam ou não possuir poderes sobre-humanos. Podemos dizer que esses foram os precursores dos Super-Heróis que conhecemos hoje. Exemplos: O Sombra (1930); O Fantasma (1936); Mandrake (1934); The Spider (1933); Tarzan (1912).

 




















- Cientistas: Com estilo mais introspectivo eles faziam o contra-ponto aos Fortões-Sabem-Tudo e Exploradores. Eram mais racionais e frios. A ciência era sempre seu grande trunfo. Exemplo: Dr. Who.

Aqui vão alguns pontos importantes para o gênero “Pulp”!
  • O Vilão é SEMPRE Vilão.
  • O Heroísmo é Exagerado.
  • Os Vilões são “Megalomaníacos”.
  • A ambientação é exótica.


Para mim essa época dos quadrinhos possui uma nostalgia toda peculiar, que também iria marcar a próxima “Era” dos quadrinhos, a de “Ouro”. Eram épocas em que o bem e o mal eram mais simples de serem entendidos e as motivações dos heróis eram claras e voltadas para o bem comum.


Várias eram as editoras dos Pulps e um fato interessante foi a inauguração, em 1935, da National Allied Publications (de onde surgiria a DC – Detective Comics posteriormente).


Com o fim da década de 30 a 2ª Guerra Mundial já estava em plena ação. Iniciava-se um período de transição no qual personagens heroicos, e com origens atraentes, começavam a aparecer. Estava chegando a “ERA DE OURO” dos quadrinhos. Embora ainda existam algumas discordâncias a esse respeito, essa nova era se iniciaria com o lançamento de uma Revista-Chave em 1938 que apresentaria uma maravilhoso herói para época (algo nunca antes visto!). Isso, caro leitor, será assunto para a próxima matéria dessa série. Não perca essa continuação que trará de volta até você a GRANDE ERA DE OURO DOS QUADRINHOS!!

2 comentários:

  1. Adorei, ainda estou tentando me convencer sobre a questão do Capitão America que conversamos kkkkkkkkkkkkkkkk, Post muito bom, quero ver o resto bjuuu até mais kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Francine...

      Valeu pelo comentário. Procure ler sobre o Capitão dentro daquele enfoque que lhe falei.

      Gde. Abc. Valeu!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Posts Relacionados