domingo, 28 de junho de 2015

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Emma Frost é a gélida Rainha Branca (seu antigo nome da época do Clube do Inferno). Uma mulher que (não a toa) possui como um de seus poderes a transformação de seu corpo em diamante bruto. Uma personagem que encontra no DIAMANTE sua mais pura essência, ou seja, a incrível beleza associada à maior dureza da Terra. Pois assim é Emma Frost, a linda mutante telepata que possui uma personalidade dura e inflexível, além de uma "Brutalidade Amoral", conforme bem definido por Frank Plowright. Hoje analisaremos algumas características de sua peça bem como alguns pontos fundamentais de sua trajetória.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Em primeiro lugar acho que devemos ressaltar uma das coisas que talvez menos combine com a personalidade de Emma Frost nessa peça: o sorriso. Dona de uma personalidade astuta, por vezes insensível e seletiva, definitivamente ela nunca ostentaria o alegre, jovial e ingênuo sorriso representado na figura acima. Emma até pode sorrir, porém sempre carregará nesse sorriso a malícia inerente às autênticas femme fatales. Entendo, no entanto que as sutilezas das feições humanas sejam algo muito difícil de serem reproduzidas em uma peça com essa escala de modelagem. Assim, Emma Frost parece mais uma Princesa de contos de fada nesta peça do que a voraz, elegante e maliciosa telepata que conhecemos dos quadrinhos.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

As demais características da peça estão adequadas para mim, corpo escultural, elegância, roupa insinuante e o famoso bustiê "tomara-que-caia" acoplado à capa (marca registrada da personagem). A capa, aliás mantem as ondulações características de um pesado tecido, algo que vem sendo visto nos diversos personagens da coleção que se utilizam desta indumentária. Gostei do estilo de calça com a qual a personagem está representada, uma calça com vincos e de cintura baixa, em geral usada em ambientes "fashion". Algo que já mostra o requintado e aristocrata gosto de Emma, muito bem completado com as luvas longas e bustiê. Assim, nesse quesito acredito que a peça faz jus ao histórico e personalidade da mutante.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Emma nasceu num lar extremamente abastado, cheio das regalias usualmente vistas na alta sociedade. Infelizmente, no entanto o que sua família tinha de riqueza material faltava em compreensão e amor. Winston, pai de Emma era enérgico, mesquinho e tinha como principal valor existencial o culto ao poder e ao dinheiro. Após a morte da mãe de Emma tais características foram ainda mais acentuadas no patriarca dos Frost. O único consolo que Emma possuía era a amizade de seu irmão Christian, que em função de sua homossexualidade era também alvo de críticas e desmerecimento. As outras duas irmãs de Emma, Adrienne e Cordelia eram de igual modo distantes e ensimesmadas.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Ainda na adolescência Emma veria seus poderes telepáticos aflorarem na rica Escola que frequentava. Esperta e cheia de rancor, Emma passou a usar seus poderes para conseguir o que queria, e foi assim que a mutante passou pelas fases de sua juventude, angariando o afeto de poucos, e tirando do caminho aqueles que ela achava que a atrapalhavam. Toda inocência que eventualmente ela tivera um dia foi consumido como fruto de seus ataques psíquicos às mentes dos adultos, que lhe descortinaria toda sordidez da sociedade. Foi nesse contexto de mágoa, rancor e desejo de manter intacto seu estilo de vida e poder que Emma conheceu o Clube do Inferno. Criado como um Clube para ricos satisfazerem seus gostos depravados, o Clube do Inferno logo mostraria que era algo mais. Assim, Emma sentiu que ali era o ambiente perfeito para ela ascender em sua escalada social e de riqueza, tornando-se a Rainha Branca do Clube do Inferno, uma espécie de alta dama do Clube.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Se algo foi mudando lentamente no coração de Emma, levando-a para o caminho do que é correto, foi em decorrência de sua escolha de montar uma Escola para jovens mutantes, onde poderia realizar um de seus desejos interiores: ser Professora. Foi na Escola de Emma que nasceu Os Satânicos, um grupo de jovens mutantes que entrou em confronto com os Novos Mutantes algumas vezes. Mas foi o contato discreto e gradativo com Charles Xavier que pavimentou o caminho para Emma começar a perceber outros valores na vida, sem é claro, nunca deixar de lado seu perfil aristocrata, às vezes rude, rebelde e irascível. O acontecimento determinante para a virada na personalidade de Emma, talvez tenha sido a morte de seus alunos mutantes (Os Satânicos) pelo mutante teleportador Trevor Fitzroy. A perda dos jovens pupilos e o fato de Emma quase ter morrido nas mãos de Trevor contribuíram para que ela subisse mais alguns degraus na direção de uma vida diferente.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Isso explica o fato de uma das mais mesquinhas vilãs do Universo Mutante fazer parte hoje de uma das facções dos X-Men, ao lado de seu namorado, ninguém menos que Scott Summers (O Ciclope). Esse improvável casal jamais estaria no imaginário de qualquer Marvete no passado e, no entanto hoje é um dos casais mais badalados (eu diria) no Universo Mutante. Confesso que esse Universo dito "Mutante", é hoje por demais complexo para o meu gosto, com muitos personagens que infelizmente acabam por diluir as tramas. Meu último contato mais de perto com os mutantes foi durante a Saga Avengers x X-Men. Depois disso decidi não comprar mais mensais, mas apenas encadernados. Portanto não saberia dizer com grande precisão a situação de Emma Frost hoje.

Miniatura Marvel Nº 47 - Emma Frost

Para mim Emma Frost representa a essência da mulher fatal, que pode destruir a vida de qualquer homem sem nem precisar de super-poderes, e por isso mesmo talvez ela me assuste tanto (rs rs). Um misto de sedução e perigo concentrado em uma única mulher. Um binômio que já levou muitos homens à ruína. Definitivamente a antítese de outra personagem já comentada aqui no Blog, Kitty Pryde. Bom amigos... É isso aí! Grande abraço à todos!!

sábado, 13 de junho de 2015

Coleção Salvat - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel - O que Já Saiu!? - Lista de Lançamentos - Atualizada - Outubro/2017!!

Nº 01 - Os Vingadores; Nº 02 - Homem-Aranha; Nº 03 - Wolverine; Nº 04 - Hulk; Nº 05 - Homem de Ferro; Nº 06 - Viúva-Negra; Nº 07 - Capitão América; Nº 08 - Tocha Humana (Jim Hammond).

Olá amigos... Há algum tempo tivemos o início de mais uma Coleção de Graphic Novel pela Editora Salvat: Os Heróis Mais Poderosos da Marvel. Diferente de sua contraparte de Capa Preta, esta nova coleção foca não em uma saga, mas sim em um determinado personagem ou Grupo. Assim, coloca-se em perspectiva o DNA do herói ou supergrupo, o que confere um caráter interessante à Coleção, já que explora HQs que definiriam o personagem, suas motivações, dramas e caráter intrínseco. Um grande oportunidade de se fazer um Raio X de determinado herói, heroína ou supergrupo. Seguindo sob essa perspectiva, cada volume traz também a 1ª aparição do personagem título, o que agrega valor à coleção uma vez que seria a oportunidade de muitos (novos e velhos) leitores observarem como determinado personagem foi descrito em seu nascedouro, em sua gênese, livre de re-interpretações futuras que lhe foram dadas. Essa chance é uma chance única de se conhecer material clássico e raro.

Nº 09 - Gavião ArqueiroNº 10 - X-Men; Nº 11 - Luke Cage; Nº 12 - Os Três Guerreiros; Nº 13 - Ciclope; Nº 14 - Capitão Marvel; Nº 15 - Os Fabulosos X-Men; Nº 16 - Mulher-Invisível.


Nº 17 - VisãoNº 18 - Guardiões da Galáxia; Nº 19 - Falcão; Nº 20 - Namor: O Príncipe Submarino; Nº 21 - Valquíria; Nº 22 - Professor X; Nº 23 Defensores; Nº 24 Justiceiro.

Nº 25 - Nick FuryNº 26 - Pantera Negra; Nº 27 - Madrox: O Homem Múltiplo; Nº 28 - Harpia; Nº 29 - DemolidorNº 30 - Quarteto Fantástico; Nº 31 - Doutor Estranho; Nº 32 - O Coisa.

Nº 33 - Destrutor; Nº 34 - Feiticeira EscarlateNº 35 - O AnjoNº 36 - Punho de FerroNº 37 - Mercúrio; Nº 38 - BladeNº 39 - Inumanos; Nº 40 - Fera.

Nº 41 - ThorNº 42 - Shang-Chi; Nº 43 - Polaris; Nº 44 - Warlock; Nº 45 - Hank Pym; Nº 46 - Hércules; Nº 47 - Homem de Gelo; Nº 48 - Vespa.


Nº 49 - Motoqueiro FantasmaNº 50 - Magnum; Nº 51 - Surfista PrateadoNº 52 - Banshee; Nº 53 - Cavaleiro Negro;  54 - Tempestade; Nº 55 - Tocha Humana (Johnny Storm)Nº 56 - Colossus.

Nº 57 - Senhor Fantástico; Nº 58 - NoturnoNº 59 - Jean GreyNº 60 - Miss Marvel; Nº 61 - DeadpoolNº 62 - Soldado Invernal; Nº 63 - ElektraNº 64 - Jessica Jones.

Nº 65 - Máquina de Combate; Nº 66 - Geração X; Nº 67 - Os Invasores; Nº 68 - Hulk Vermelho; Nº 69 - Garota-Aranha.

Seguindo a tradição aqui do Blog de disponibilizar a sequencia de lançamentos tal qual foi feito com a coleção de "Capa Preta", teremos a partir de agora a sequencia atualizada dos encadernados desta coleção já conhecida por aí como "Capa Vermelha" da Salvat. Você encontrará essa lista em movimento, sempre com novos acréscimos, fornecendo para todos nós um guia rápido de consulta, bem como a possibilidade de se criar um panorama geral do conjunto da obra. É isso aí amigos! Um grande abraço à todos!!

sábado, 6 de junho de 2015

A Saga do Monstro do Pântano - Vol. 01


"Não há nada mais triste do que o grito de um trem no silêncio noturno.
É a queixa de um estranho animal perdido, único sobrevivente de alguma espécie extinta, e que corre, corre, desesperado, noite em fora, como para escapar à sua orfandade e solidão de monstro."
Mario Quintana

Em seu poema intitulado "Desespero", Mario Quintana destila a quintessência do mito do Monstro... Aquele que não tem ninguém mais a não ser a si próprio. Há muito tempo o genial roteirista Alan Morre não apenas destilou esse mito, mas encheu toneis e mais toneis de uma prosa lírica e profunda em que apresentou suas ideias para o que é o "VERDE". A entidade gigantesca, milenar, silenciosa, onipresente e poderosa que divide o mundo com os homens e animais, ou seja, que divide sua existência com o "VERMELHO", ou seja, nós. Uma entidade que, talvez por ser por demais sábia, um dia silenciou-se ao perceber a inexorabilidade da vida e de seu destino rumo à destruição. Um destino inerente aos processos eternos.

O Monstro do Pântano - Por Michael Zulli

É possível que um dia, em tempos imemoriais, tenhamos tido contato mais intimo e profundo com essa essência, quem sabe no Jardim do Éden antes da queda, porém essa conexão se rompeu e nos descolamos por completo de sua consciência. O que temos hoje (como espécie) são apenas ecos compartilhados com o VERDE, ecos que podem ser ouvidos, ou melhor "sentidos", se ficarmos bem quietos e serenos em meio à profusão verde.


Em 1984 um ainda jovem Alan Moore assumiria o título de um personagem que ainda não havia atingido todo seu potencial dramático, mas que só excelentes roteiristas tem acesso. Baseando-se (provavelmente) na teoria do Campo Morfogenético de Rupert Sheldrake, Moore constrói uma das mais belas narrativas gráficas que já li, sem perder, no entanto o lado marginal, sujo e belo dos quadrinhos. Nascia o Monstro do Pântano de Alan Moore. Criado por Len Wein e Bernie Wrightson em 1971, o Monstro do Pântano poderia ter sido apenas mais um Monstro da literatura em geral. No entanto, Moore fez dele a essência, ou melhor o representante do "VERDE", ou seja, criou sua encarnação, seu ELEMENTAL. Com início em 1984, a passagem de Alan Moore pelo título iniciaria uma revolução nos quadrinhos com a chamada Saga do Monstro do Pântano. Evento que alavancaria a 9ª arte à um outro patamar. Recentemente, essa Saga começou a ser republicada no Brasil, desta vez na íntegra.


No início dos anos 80 a revista do Monstro do Pântano vinha sob o comando de Martin Pasko (roteiro) e Tom Yeates (desenhos). Assumindo a vaga de roteirista à convite do próprio Len Wein, o jovem talento britânico Alan Moore iniciou sua fase com a história "Pontas Soltas" (Janeiro de 1984). Uma história que fechava diversas "pontas soltas" deixadas por Pasko. Mas foi com a 2ª história "Lição de Anatomia" (Fevereiro de 1984) que Moore mostraria a que veio. O encadernado da Panini abre com "Pontas Soltas" e pode ser dividido em duas partes: a 1ª delas mostra o Monstro do Pântano começando a descobrir "O QUE" ele realmente é e traz como personagem opositor principal Jason Woodrue, o Homem Florônico.


Woodrue é o protótipo da psicopatia sobrenatural, assustador não apenas em sua imagem, mas também em suas motivações. Outro opositor desta 1ª parte é o General Avery Carlton, personagem remanescente da fase Pasko. É também nessa ª parte que Abigail Arcane começa a se mostrar como alguém que seria da máxima importancia na vida do nosso amigo Pantanoso.



Na 2ª parte do volume, Alan Moore se aprofunda no terreno pantanoso do Mundo Espiritual, dando pistas para onde levaria o personagem título. Não é a toa, portanto que um dos personagens centrais desta 2ª trama é o demônio Etrigan. Além de Etrigan, iniciam suas participações também alguns entes infernais que ao que tudo indica farão parte das próximas histórias.


Apesar das 03 décadas que nos separam desta Saga, ela não é (em hipótese alguma) datada ou mesmo antiquada. Pelo contrário, mantém toda sua força e poder hipnótico. À princípio achei que o tipo de papel escolhido pela Panini para imprimir a Saga (o pisa-brite), havia sido um grande erro, já que é barato, não privilegia as cores e é muito fácil de ser rasgado. No entanto, por incrível que pareça (em minha opinião, claro) esse tipo de papel deu um ar de HQ antiga, perdida, marginal e até proscrita. Soma-se a isso a arte estranha e por vezes caótica de Stephen Bissete e John Totleben. Ao que tudo indica a fase de Alan Moore à frente do título será publicada na íntegra pela Panini, perfazendo 06 volumes.


Caso tenha coragem, enverede-se por esse universo lírico, onírico, violento, poético e acima de tudo cheio de verdades escondidas que é a Saga do Monstro do Pântano.

É isso aí amigos...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...